a origem do conhecimento

8, maio 08UTC 2007 às 9:16 pm | Publicado em cotidiano | 6 Comentários

fonte.jpg

O conhecimento acumulado historicamente pela sociedade humana está cada vez mais… acumulado. É difícil (senão impossível) ser um verdadeiro especialista em uma área, mesmo que muito específica, do conhecimento. Quem dirá ter um domínio razoável na maioria das áreas?

Quero crer que é esta a melhor explicação para tantas bobagens que andamos escutando por aí todos os dias. Ditas não apenas por indivíduos considerados incultos ou então por pseudo-celebridades, mas por pessoas renomadas em suas áreas e que, colocando pitaco na área dos outros, acabam perdendo excelentes oportunidades de deixarem o silêncio se pronunciar melhor.

Afinal, é fácil reproduzir o que andam dizendo por aí sem consultar boas fontes.

Cansei faz tempo de ouvir, por exemplo, explicações para qualquer assunto baseadas na Física Quântica. Antigamente Freud explicava tudo. Hoje quem faz isso é o Heisenberg. E essas explicações não são de verdadeiros físicos (estes são muito cautelosos ao afirmarem qualquer coisa sobre assunto tão delicado), mas de qualquer um que assistiu ao filme “Quem somos nós?” e acha que compreendeu o segredo da vida, do universo e de tudo mais! (Se quiser saber minha opinião sobre este filme, clique aqui).

Outro lugar-comum é o de que a palavra crise em chinês é sinônimo de oportunidade. Quantas vezes você ouviu isso? Alguma vez foi algum chinês? Aposto que não. Porque crise e oportunidade não são sinônimos nem aqui e nem na China. (Se quiser saber a origem deste mal entendido, clique aqui).

Agora, o que tenho mais ouvido ultimamente é sobre a etimologia da palavra aluno. O aluno (a + lumen) seria um ser desprovido de luz. Esta origem é interessante (um vereador de uma cidade do interior do Paraná chegou a propor recentemente uma lei que proibiria esta palavra no município por ser depreciativa), mas é uma origem errada! A verdadeira etimologia de aluno é outra e é facilmente encontrada usando qualquer site de busca ou dicionário mais completo. (Se quiser conhecê-la clique aqui e aqui.)

Contudo, repito, é quase impossível ter um bom domínio na maioria das áreas do conhecimento. A grande dica é: se não quiser mentir sozinho, faça como eu, cite a fonte.

About these ads

6 Comentários »

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URI

  1. Hahahaahah boa Leandro!

    É duro não falar bobagens hoje em dia. Afinal, nossa maior fonte de informações, as diversas midias, são escritas em geral por alguem que não é especialista em nada a não ser dar noticia: o jornalista. Veja bem, dar noticia é algo de grande responsabilidade. Mas não sei se é só no Brasil, mas a impressão que tenho é que a interpretação de texto dessa classe está abaixo da média (que de média não tem nada) nacional. Primeira regra: se não queres falar bobagem não abra a boa próximo a um jornalista.

    Também gosto de ir atrás das coisas e descobrir o que há de verdade. Tenho ficado “escaldada” com relação a algumas coisas. Agora… essa do “a-luno” eu já li até em textos academicos!!! (felizmente pouco tempo depois fiquei sabendo do erro – por um blog, claro rs).

    Sobre o acumulo de conhecimento, fico admirada quando leio os grandes pensadores dos seculos passados… Estou lendo Darwin e é admiravel o seu grande conehcimento sobre tantas coisas!

    Um abraço para ti

  2. Realmente, se os especialistas em dar notícia não são especialistas em outra coisa, os especialistas em outra coisa não são especialistas em dar notícia, como comentei no post anterior…

  3. Neste ano o 1º ano do ensino médio está estudando o tema trabalho, e temos falado muito na fragmentação do conhecimento que começou no final da Idade média com as corporações de ofício onde cada artesão se especializava em uma única tarefa, isso se consolidou na Revolução Industrial, pois antes cada artesão conhecia todas as etapas da produção, lógico que minha visão é bem marxista,mas nas discussões com meu alunos chegamos a essa conclusão. Recentemente em uma palestra sobre empreendedorismo, o palestrista falava sobre os cursos universitários que há uns vinte anos atrás eram cerca de 15 a 20, hoje em dia existem muitos cursos e especializações. Existem vários ramos da medicina, vários cursos de administração com ênfase em “n” coisas então não são só os jornalistas que tem que se cuidar com o que falam, mas também nós.

  4. Muito legal o post.. Este sítio é bem interessante.
    Grande abraço

  5. [...] E não falo de seqüências como Homem-Aranha 1, 2 e 3 ou Piratas do Caribe… E nem de “Quem somos nós” e “O Segredo”.  Outra [...]

  6. formadores do cão

    a origem do conhecimento | meandros


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com. | O tema Pool.
Entries e comentários feeds.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: