não jurarás!

20, março 20UTC 2007 às 5:35 pm | Publicado em curitiba | 5 Comentários

Até a Idade Média, a Igreja condenava a usura. Isto quando a usura era ainda apenas sinônimo de juro e não de juro exorbitante.

Hoje dá a impressão que não só é tolerante com a usura (ou o juro, como queiram), como é uma incentivadora! Não tenho outra interpretação para o que ocorreu na parte de trás da Catedral Basílica Menor de Nossa Senhora da Luz, mais conhecida como Catedral de Curitiba.

banco.jpg

Nos fundos da Catedral funcionava uma pequena loja de produtos litúrgicos, inciativa de uma congregação religiosa que reunia o melhor da arte sacra católica. A loja fechou e em seu lugar abriu uma loja bem menor de produtos religiosos esteticamente duvidosos e também uma filial espaçosa de um banco que fornece empréstimos para servidores públicos e aposentados!

Se bem me recordo, em uma sociedade capitalista o que mantém uma empresa funcionando é o lucro. Sendo o lucro um retorno positivo para o dono da empresa, em um sistema de empréstimo este lucro deve sair do bolso de quem está emprestando, a curto ou médio prazo. Quem está emprestando (pela sua própria condição), não tem dinheiro. Quem empresta o faz porque tem (geralmente muito). Assim, os donos do capital ficam a curto e médio prazo mais ricos e os “emprestadores” do capital mais pobres. E isto ainda acontence, preferencialmente como diz a placa, para os aposentados!

Tudo bem, não sou contra bancos e financeiras (embora tenha uma grave antipatia). Em um sistema capitalista são necessários. O que me estranha é que um banco abra uma filial em uma igreja.

Rapidamente lembro-me de duas passagens do evangelho. Numa Jesus dizia que não se pode servir ao mesmo tempo a Deus e ao dinheiro, referindo-se ao deus babilônico das riquezas: Mamon (Lc 16,13). Noutra Jesus de chicote na mão expulsa os vendilhões do Templo, que na verdade eram cambistas já que em Jerusalém este espaço sagrado era muito utilizado (além do comércio) como banco oficial dos judeus (Jo 2, 13-25).

Assim, como se percebe nestas citações, parece ser um grande contra-testemunho a prática da usura nos fundos da Catedral. Se a Igreja pretende construir o Reino de Deus, creio que não deve pegar empréstimos para a obra.

5 Comentários »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

  1. Me parece que tudo hoje em dia virou comércio, infelizmente.

  2. é a Divina Comédia invertida, rssss Lembra-se que lá tinha um círculo inteiro do inferno reservado aos usurários?

  3. Tens um bom conhecimento acerca da bibilia e da religião catolica em real, não?

    Muito interessante suas colocações. Realmente causa estranheza esse tipo de estabelecimento em uma igreja.

    beijos

    ps.: bela foto.

  4. Ângelo, acho que a única coisa por aí que ainda não ganha dinheiro com alguma coisa é este blog! hehe

    Bem lembrado, Catatau! Depois que deixou de ser pecado o círculo só deve ter gente das antigas!

    Marcela, não posso fugir das minhas raízes que incluem uma boa formação católica…

  5. […] possuir cartão de crédito vai contra minha religião (o que não deixa de ser verdade, embora lá na Idade Média quando a usura ainda era pecado) porque a desculpa de que estou partindo para um doutorado na Alemanha pode ser facilmente […]


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: