o caçador de pipas e de leitores pouco exigentes

13, maio 13UTC 2007 às 10:33 pm | Publicado em literatura | 16 Comentários

kitecrop190_70.jpg

Toda unanimidade é burra.

Assim dizia Nelson Rodrigues. Por essa e por outras, sempre procurei fugir (ou, ao menos, não correr atrás feito um louco) dos filmes que são campeões de bilheteira e dos livros que estão na lista dos mais vendidos da (ugh!) Veja, os best-sellers. É claro que nem todos são ruins, já tive ótimos momentos com algusn best-sellers que ficaram por um bom tempo no topo das paradas, como o Senhor dos Anéis, por exemplo. Mas se o livro está lá, não sei, desconfio.

Por isso relutei em ler “O Caçador de Pipas“, do afegão Khaled Hosseini. Mas depois de várias indicações de amigos e de críticas literárias bastante favoráveis resolvi arriscar. Deveria ter ouvido o Nelson Rodrigues.

Não que o livro seja ruim. É um livro mediano, ou mesmo um pouco acima da média. Mas eu vinha embalado da leitura de dois livros excelentes, de uma narrativa complexa, profunda e envolvente: “Sábado”, de Ian McEwan e “Dois Irmãos“, de Milton Hatoun. E destas três características, “O Caçador” só é envolvente.

Pudera. Suas frases são simples. Seus capítulos (de modo geral) são curtos. E, paradoxalmente, sua história é previsível. O autor chega a defender em certa altura que a literatura deve se aproximar aos ditados populares e ao senso-comum pois estes descrevem melhor a realidade. Quer mais previsibilidade do que isto?

Eu consegui facilmente adivinhar a maioria dos próximos passos da história. E por isso o efeito em mim foi o contrário e fiz o que raramente faço: larguei o livro no meio. Depois de uns três meses retomei a leitura. Vai que, de repente, eu estava errado e o livro surpreenderia?! Nada!

Afinal, o livro é só culpa e tristeza. O narrador tentava redimir-se da culpa e nunca conseguia: para adivinhar o restante era só pensar no que de mais triste poderia lhe acontecer. E, citando novamente Nelson Rodrigues: era batata!

Outra coisa que me irritou na leitura é que ele ofendia a inteligência do leitor. Entregava o jogo facilmente e nem permitia que o leitor construisse relações na trama e atribuísse isto a si mesmo. Exemplifico (sem spoilers).

Em um determinado momento entra em uma lanchonete na cidade de Peshawar e descreve uma mesa (pagina 225):

No ponto em que as pernas da mesa se cruzaram, fazendo um X, tinha uma argola com umas bolotas de latão do tamanho de uma noz.

48 páginas depois, faz referência à mesma mesa, fazendo uma pergunta de onde era a primeira mesa e, sem que isto signifique nada à trama, respondendo!

Perto do sofá, havia uma mesinha de centro. Os seus pés se cruzavam, fomando um “X”, e, no ponto em que se encontravam, tinha uma argola metálica com umas bolotas de latão do tamanho de uma noz. Já tinha visto uma mesa assim antes. Mas onde? Então, me lembrei. Foi naquela casa de chá lotada, lá em Peshawar, na noite em que fui dar uma volta.

Se o leitor não se lembrava, paciência. Mas eu lembrava. E fui chamado de burro.

Sem contar com a crítica fraca que faz da relação ocidente-oriente (e bastante pró-americana, o que justifica parte do sucesso da obra) e com a tristeza sem fim, o livro segue assim, fácil, fácil. É como assistir a um filme. Aliás, a todo momento as linhas pedem para serem filmadas: há flashbacks, cortes nos momentos de auge… Uma “edição” bastante cinematográfica. Logo a história deverá ser sucesso na telona e duvido que suscite novos leitores, vai apenas facilitar para quem teve preguiça de lê-la (mesmo com a edição de letras maiores e figuras).

Agora quem está no topo da lista dos mais vendidos é um livro que conta a história de um cachorrinho que só apronta confusão… Dizem por aí que é muito bonito, emocionante e tals… Nessa eu não caio de novo. E aposto que o cachorro morre no final.

16 Comentários »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

  1. Olá Leandro… é também fujo de livros assim… comigo aconteceu com O Codigo da Vinci algo parecido. Relutei a le-lo, mas no fim o livro caiu em minhas mãos e falei: por que não. A história é muitissimo envolvente, contudo é o tipo de história que quando se fecha o livro apaga-se da memória.
    Literatura descartavel, digamos assim.

    Um abraço

  2. Resumindo, mais um enlatado para gosto popular, heheh

    Depois dizem que afetos e sentimentos não são para serem também vendáveis, tanto quanto produtos ‘materiais’😉

  3. Putz, ‘Marley e Eu’? (lol!)

  4. “Marley e Eu” eu tenho!

  5. Um amigo meu tem mais ou menos essa postura com best sellers — eu também tenho — e só foi ler o Marley e Eu porque ganhou numa promoção do jornal que assina. Ele ficou puto com o livro porque se envolveu com a história e terminou a leitura aos prantos.

    Tenho medo de ler esse livro…😀

  6. Que Pretencioso…

  7. […] caçador de pipas, de Khaled Hosseini – Como já comentei anteriormente, geralmente fico com um pé atrás quando o assunto é best-seller. E geralmente com razão, afinal […]

  8. Como as pessoas são diferentes…Esse livro me emocionou tanto! Não fiquei pensando na forma dos parágrafos, apenas embarquei na história torcendo para que aquela culpa fosse expiada…afinal, qual de nós não carrega suas próprias culpas? Vivi uma vida paralela por duas semanas, pensando nesse livro…

  9. Eu acho que existem livros que nos fazem pensar e livros que apenas nos despertam emoçoes, nao devemos menosprezar nenhum deles

  10. já faz alguns meses que li o livro.
    na verdade, a leitura simples, ponto que tanto o desagradou, foi uma das questões que eu gostei no livro.
    a previsibilidade da história também me incomodou em certos momentos da trama; porém, tirando esse fato, é uma obra elogiável.
    a leitura fácil e quase sem rodeios se adequou ao enredo e as personagens. ainda que tenha alguns problemas ‘infantis’ na escrita, continuo considerando o livro merecedor de boas críticas.

  11. […] lê-lo deve estar relacionado com o trabalho aumentado do autor para escrevê-lo), mas nem por isso subestima a inteligência. Entre as linhas claras ditas, ficam infindáveis meandros não […]

  12. Eu gostei desse livro.É meio tipo novela mexicana,mais as vezes é bom variar de estilos que gosto de ler,pra estilos que dificilmente leio.E o filme ficou muito ruim perto do livro.Os atores são bem fracos.E as cenas fortes(tipo a do estupro) não tem toda aquela ênfase que deveria ter.

    Pra quem quer uma sugestão,se não quiser ler esse livro leia The Godfather do Mário Puzzo-esse sim é um dos melhores que eu já li.

  13. Descordo desta sua opiniao hipocrita onde só os bons são a minoria.

    Não é só porque o cara conseguiu vender milhoes de copias e tal e que seja apenas um sortudo ou porque todo mundo fala do livro dele.
    Alguma coisa deve ter de bom. Eu li o livro e gostei.A historia é limpa e simples complexo se torna apenas a culpa que cada um leva dentro de si.Se vc gosta de complexidade injustificada vai ler ficção como “A hospedeira” livro sem pé nem cabeça.Outra coisa.Os livros são escritos e de acordo com cada tipo de pessoa ou capacidade de entendimento ou sofrimento , gosta-se ou nao . E neste caso vc deveria ter dito, que nao gostou. Pois o livro nao é ruin.

  14. Muitas vezes quando leio criticas como essa eu tenho a impressão que algumas pessoas lêem somente para procurar algum defeito no livro. Acho que a leitura não deve ser feita dessa forma. Eu, quando pego um livro para ler, viajo na história sem me preocupar com a maneira como o autor escreve, tamanho dos capitulos, paragrafos… Acho que devemos ser exigentes sim, mas o mais importante é a mensagem que o livro nos passa.
    Minha opinião =]

  15. o livro é excelente. e ainda recomento “a cidade do sol” do mesmo autor.

  16. Eu achei o livro o “maximo” é uma historia muito emocionante e muito bonita!!!


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: