lixeira viva

15, abril 15UTC 2009 às 10:48 pm | Publicado em curitiba, sustentabilidade sustentável | 7 Comentários
Tags: , ,

Ok! Você já separa o lixo. Já trocou o carro pela bicicleta. Já bebe água da torneira. Já diminuiu ou eliminou o consumo de carne. Já trocou as lâmpadas incandescentes pelas fluorescentes. Já dá preferência por alimentos orgânicos. Já não aceita sacolas plásticas facilmente. Já apagou a luz por uma hora. Será que não há mais nada na esfera individual para colaborar com a sustentabilidade do planeta?

Sim, há! O nome é Lixeira Viva!

 

lixeira-viva1

Um grande problema urbano é o lixo. Para Curitiba, especialmente. O aterro do Caximba está com os dias contados (na verdade, é uma questão de horas até que sua capacidade se exceda). E nenhuma solução à vista para a nossa, muito nossa, capital ecológica. Algumas empresas já começam a dar indícios de que podem dar conta do próprio lixo orgânico, mas isto pode ser feito também pessoalmente.

Trata-se da compostagem doméstica do lixo orgânico. 

É um processo bastante simples; ao separar o lixo orgânico, permite-se que ele se decomponha sozinho e se transforme em húmus.  Um dos grandes males da vida urbana se torna um adubo natural de excelente qualidade. Eu disse sozinho? Desculpe, o processo conta com a incrível ajuda das… minhocas!

Esses anelídeos comem o equivalente ao seu próprio peso e se reproduzem muito rápido. E processam o material orgânico de um forma invejável a qualquer aterro sanitário. Para se ter uma ideia, um dos grandes interesses do Darwin ao final da vida eram as minhocas e a solução para os lixões ingleses

Mas como criar minhocas em casa? Alguns simples e engenhosos equipamentos facilitam, para não dizer executam por si, o processo. Temos aqui em Curitiba a Lixeira Viva, uma espécie de versão da Minhocasa de Brasília. São três caixas destinadas ao lixo orgânico e ao chorume, além, claro, as minhocas. Com menos de dois meses, o que seria mais conteúdo pro lixão está com um volume bem menor e uma função social e ambiental bem mais nobre (para saber como funiona, clique nos links espalhados pelo post, inlusive neste excelente infográfico da Folha de S.Paulo).

Mas não fede? Não, cuidando direitinho o odor é mínimo. A Lixeira fica sempre fechada e tampouco junta moscas, baratas e outros bichos escrotos. (A dica é nunca deixar acumular chorume, sempre dissolvê-lo em água e regar as plantas, é a parte mais fedida se em grande quantidade.)

Acaba sendo um novo animal de estimação. É difícil de acreditar, mas quem tem uma desssas em casa acaba desenvolvendo uma certa afeição pelos invertebrados (tenho amigos que dizem até chamar as minhocas pelo nome; só não me pergutem como diferenciam uma da outra ou como nomeiam as dezenas delas que surgem constantemente…). Com algumas vantagens sobre outros pets como poder viajar sem se preocupar em deixá-las com alguém para cuidar, por exemplo (sobrevivem até três meses sem alimento novo). 

Outra grande vantagem é que a Lixeira Viva dispensa levar o lixo para fora toda terça e quinta-feira, coisa que poucos devem achar divertido (claro, o lixo reciclável continua, assim como alguns orgânicos de origem animal que não vão para as minhocas – mas quem é vegano fica tranquilo). 

E cabe em qualquer canto da casa e -principalmente- do apartamento (quem tem quintal em casa pode enterrar o lixo orgânico e cultivar minhocas livres)! A foto acima é da minha Lixeira na sacada do prédio. Tem seis meses de funcionamento, está  indo para a terceira carga de húmus e para uma vida longa…

Gostou da ideia? Pois fale com o Eduardo da Casa da Videira e encomende a sua. Dê mais um passo para um planeta sustentável enquanto a prefeitura tenta jogar mais lixo onde não há mais espaço.

7 Comentários »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

  1. Muito bom!

    Quando eu tiver uma casa, farei um!

    A propósito: vc viu o jornal do meio dia hj?

    abração,

  2. casa=moradia minha, heheh

  3. Qual é a altura dessa coisa?

    (coisa no bom sentido)

  4. Catatau, procurei depois e me assustei com a ideia da prefeitura, até FEV DO ANO QUE VEM!!!
    http://portal.rpc.com.br/tv/paranaense/video.phtml?
    Video_ID=43135&Programa=paranatv1edicao&tipo=&categoriaNome=

    Como se o problema fosse novo.

    Silvio, a lixeira viva tamanho família-pequena (a que tenho), tem 64cm de altura. A tamanho família-grande, 80cm. É bem compacta.

  5. Muito bom! Pena que pra quem mora em república o termo lixeira-viva seja uma redundância… hahaha!

  6. Estou pedindo uma ajuda de voces para a nóssa feira agropecuaria que vai ocorrer no dia 22 e 23 de Outubro em Guarapuava-PR.
    estamos desemvolvendo um projeto para mostrar o quanto a lixeira viva é importante na sociedade em que vivamos e precisamos de algumas lixiras para mostrar para o pessoal durante a feira.
    Será que voce pode nos ajudar?

  7. Parabéns pela iniciativa maravilhosa! Gostaria de saber onde vc comprou estas caixas, nos grandes supermercados tem?


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: