sobre o tempo

11, abril 11UTC 2011 às 10:31 pm | Publicado em cotidiano, paternagem | 10 Comentários

Ultimamente tenho pensando muito em  três coisas.  Tempo, trabalho e dinheiro.

“Ter tempo é uma questão de dar prioridade” e “o tempo é igual para todos: desperdiçá-lo ou ocupá-lo bem é escolha pessoal” são duas afirmações bastante desgastadas, mas que não deixam de ser verdadeiras. Em outras palavras, que escolhas devem ser feitas e que prioridades devem ser dadas para um melhor uso do tempo?

Caso a opção seja gastar o tempo prioritariamente trabalhando – e este trabalho seja remunerado – a consequência direta é o dinheiro. Caso a opção seja gastar o tempo em trabalho não remurado, a consequencia é a ausência dele.

Pois bem, desde que as meninas nasceram optei por priorizar o labor não remunerado de cuidar delas, abandonando várias horas de trabalho remunerado. Gastar mais tempo com elas é esforçar-se mais do que sem elas, mas é a tal da escolha e da prioridade necessária. Nisso é curioso como pais experientes fazem seus comentário a respeito do trabalho quando vêm duas crianças bem pequenas. A maior parte tece  considerações que vão nesta linha:

“Filho é igual jogo de vídeo-game. A cada fase fica mais difícil.”

.

“Filhos pequenos, problemas pequenos.  Filhos grandes, problemas grandes.”

.

“Ah, que saudade quando os meus tinham essa idade. Agora é que não vivo mais tranquila…”

 

E por aí vai. Mas é claro que tem aqueles que afirmam que a coisa fica cada vez fácil na medida que crescem. Minha percepção vai mais neste sentido. Parece que a coisa toda fica mais fácil a cada mês. E guardo uma secreta convicção de que quanto mais trabalho dedicado nas idades iniciais, menos trabalho necessário nas idades futuras.

Dito isto, fica claro que sobra menos tempo para outras atividades. Por isto, tenho priorizado a vida off-line, na linha do “quero fica na geração 1.0“.   Meu twitter tem problemas de conexão no computador de casa (o que é uma certa dádiva, ao evitar exageros) e reluto em criar meu perfil no Facebook. Mas senti falta de atualizar este blogue (aliás, blogue já está ficando uma coisa ultrapassada: além de me orgulhar de ter feito curso de datilografia e ter usado o DOS, daqui a pouco será motivo de orgulho retrô ter blogue). Mas, mesmo com pouco tempo (que vai aumentando) e quase sem dinheiro (que vai diminuindo), volto ao prazeiroso trabalho não remunerado de deixar as águas dos meandros rolarem. E que venham as próximas fases!

 

Anúncios

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.